Captação de investimento: comece pelo porquê

By 06/09/2019 September 10th, 2019 Investimento
Artigo Blog - Captação de Investimento

Sem capital, a maioria das startups irá morrer. Isso não é novidade. A necessidade de dinheiro que um novo negócio precisa para ser validado, crescer e se tornar lucrativo é geralmente maior que a capacidade financeira de seus fundadores. 

Algumas startups conseguem se auto-financiar, o que chamamos de bootstraping, porém poucas destas se tornam extremamente bem sucedidas. Em sua grande maioria, startups com alta taxa de crescimento queimam caixa por muito tempo até atingirem o break even e começarem a respirar o ar puro da lucratividade.

Captar investimento é uma vantagem competitiva. Isto permite que a startup tenha recursos para contratar pessoas-chave, para injetar em marketing, vendas e demais áreas. E principalmente para que seus empreendedores possam focar no que é realmente importante, a execução do negócio.

A boa notícia disso tudo é que tem muito dinheiro no mercado para ser investido. Nos últimos anos há recorde atrás de recorde de capital investido e número de investimentos realizados. A má notícia é que fundraising (captação de investimento) é um processo demorado e desgastante. Mas por que você quer captar investimento?

Por que fazer uma captação de investimento?

 

Essa é uma pergunta que poucos empreendedores fazem a si mesmos e uma das mais importantes ao mesmo tempo. Pode parecer simples, porém ela traz uma série de desdobramentos que farão a diferença. Isto pode ser na estratégia de captação de investimento, no seu negócio e também na sua vida pessoal.

Ao receber investimento, você deixará parte do seu negócio nas mãos de outras pessoas, organizações ou investidores. E ao injetar capital na sua startup, investidores esperam ter retorno sobre seu investimento. Isso significa que, além de gerenciar a expectativa e relacionamento dos sócios, colaboradores e clientes, será necessário fazer a mesma coisa com investidores.

Ok, você quer captar investimento para contratar mais gente, crescer seu negócio e dominar determinado mercado. Tudo bem, mas avisamos de antemão que você precisará responder mais algumas perguntas para convencer investidores a colocarem dinheiro em sua startup. Algumas delas estão logo abaixo.

Qual o objetivo desta captação? 

É importante ter claro o momento que seu negócio se encontra e aonde ele estará após ter utilizado o investimento. Aonde você quer chegar? O que quer alcançar? O que quer validar? Qual milestone você pretende atingir?

Todo investidor quer ver claramente qual é a oportunidade em que está investindo e ter ciência de onde você quer chegar. No fim do dia, você estará fazendo uma venda de um futuro brilhante para sua startup e será cobrado para alcançar o que vendeu.

Como você irá utilizar o investimento?

A maior parte de todo investimento é colocada em OPEX (despesas operacionais), ou seja, salários e demais despesas com colaboradores. A não ser que seu negócio seja de hardware ou necessite de hightech, é provável que este também será seu caso. A alocação deste investimento será feita na contratação de programadores, marketeiros, vendedores e demais pessoas para sua equipe. E para deixar isso tudo mais claro, você necessitará de uma projeção financeira. 

Toda captação de investimento envolve uma projeção financeira meticulosa que descreve quais serão as principais linhas de receita e despesas de forma clara e coerente. Falar que o faturamento crescerá 50% no primeiro mês após o aporte sendo que este depende de novas contratações, treinamento dos novos colaboradores e seu período de rampagem (período até atingir a performance esperada), não faz sentido. 

O importante aqui é ter um racional que condiz com tudo que está inserido na projeção. Toda projeção deve ter premissas claras que servem como guia para estimar seus números. Como todos sabem, a planilha aceita tudo, mas o investidor não. Ele exigirá explicação de tudo que está projetado ali. 

Vale reforçar que cada centavo gasto pela empresa deverá ser direcionado para o atingimento dos objetivos traçados. Todo dinheiro gasto em supérfluos ou questões desnecessárias, como puff colorido, escorregador, e coisas do gênero, apenas servirá para desviar o foco da equipe e aumentar a distância entre onde a startup está e onde ela quer chegar.

Quanto e por quanto tempo?

O processo de captação de investimento é extenso e oneroso. Uma captação demora entre três a nove meses para ser concluída. Porém, assim como já vimos empreendedores captarem em semanas, também vimos empreendedores demorarem mais de 12 meses. E durante todo este tempo, a energia e dedicação que deveria estar direcionada ao crescimento do negócio, é dividida com reuniões com investidores, apresentações, negociações e burocracias.

Por isso, é comum estimar um runway médio (tempo de caixa até chegar a zero) de 18 meses. Ou seja, captar investimento para que a startup custeie sua operação por 18 meses. Isto é tempo suficiente para que o empreendedor possa trabalhar com foco total na execução do seu negócio antes de iniciar uma nova captação ou atingir o break even.

Tão importante quanto saber por quanto tempo seu caixa irá durar, é definir seus milestones ao longo deste prazo. Conforme mencionei anteriormente, o investidor quer saber aonde você pretende chegar com este investimento. E isto pode também lhe ajudar a trabalhar em cima de suas projeções e necessidade de capital. 

Outra forma um tanto quanto simplista de fazer o cálculo de sua necessidade de capital é multiplicar o número de colaboradores pelo seu salário médio e pelo número de meses que necessita até atingir seus milestones. Descrevo melhor na fórmula abaixo:

Qtd. Colaboradores X Salário Médio X Qtd. Meses = $$$

Esse exercício dá um bom norte de necessidade de capital. Claro que isto deve ser trabalhado a fundo na projeção financeira, com custo de espaço, viagens e demais despesas importantes, porém pode ser um início.

Confira as dicas do Amure Pinho, nosso entrevistado do episódio 11 do Hey Ho Let’s Grow, sobre os erros comuns que empreendedores cometem.

Bolso, a parte mais sensível do corpo humano

 

É importante saber que todo dinheiro aportado por um investidor-anjo, aceleradora ou fundo (Venture Capital) tem o objetivo de retornar para o bolso de quem aportou, com múltiplos. Porém, a dinâmica e forma de trabalhar entre anjos e VCs é diferente.

Investidor-anjo, sejam eles parte de seu círculo de contato, como amigos e familiares, ou de fora deste círculo, são os entusiastas desse mercado. O que quero dizer com isto: apesar de esperarem retorno financeiro, eles geralmente não vivem deste provento. Como qualquer tipo de investidor, eles estão sim apostando em você e seu negócio, porém são mais flexíveis quanto governança pelo fato de não terem obrigações de retorno sob o capital investido perante terceiros, assim como fundos de Venture Capital

Aceleradoras, por sua vez iniciam uma parte mais organizada de investimento dentro da jornada de startups. A exemplo da Darwin Startups, temos parceiros corporativos (investidores) para prestar contas. Isso significa uma maior governança, cobrança por resultados e expectativa de crescimento. Aqui, já temos verticais de investimento definidas, termos pré-estabelecidos e uma série de recursos disponíveis para as startups e empreendedores (rede de contatos, perks, parceiros estratégicos, acesso ao mercado…)

Por último, um fundo de investimento (Venture Capital), é a parte mais estruturada desse mercado. Cada VC tem o que chamamos de tese de investimento, ou seja, seu modus operandi que consta com diretrizes como estágio da startup, segmento de atuação desejado, tamanho dos cheques aportado, quantidade de deals pretendida, nível de governança, tempo de investimento e desinvestimento, entre outros. 

Ou seja, o fundo pretende entrar no seu negócio, ajudá-lo a crescer e futuramente vender por um valor maior do que foi “comprado”. Esse é o seu modelo de negócios e essa é a verdade nua e crua. Sem romantismo.

Quer entender mais sobre captação de investimento seed para startups? Confira a entrevista com Edson Rigonatti da Astella.

 

O fundo terá uma camada de direitos sob seu negócio (formalizado em contrato) mais sofisticado e cauteloso que investidores-anjos. Isso se dá ao fato dos mesmos também serem um negócio e terem seus próprios deveres e obrigações com as pessoas e/ou organizações que aportaram capital neste veículo de investimento de risco. 

Os investidores dos fundos de investimento tem o objetivo de retornar este capital a uma taxa superior à do mercado. Para maiores riscos, expectativa de melhores retornos. Isso significa que em determinado momento seus ativos precisarão ser liquidados. Em outras palavras, os negócios que receberam capital deverão ser vendidos. 

Além de exaustivo e oneroso, a captação de investimento também envolve ter obrigações com aqueles que apostaram no seu negócio. Isto significa que haverá mais cobrança e pressão por resultados.

Espero que tenha ficado mais claro o quão complexo é criar, gerenciar e alcançar a expectativa de investidores. Pois, como diz o dito popular: o bolso é a parte mais sensível do homem.

E aí, ainda quer fazer uma captação de investimento? Então manda seu pitch deck para avaliarmos! 


Leave a Reply