Fundraising: tudo que você precisa saber sobre captação de investimentos para startups

By 20/09/2017 August 13th, 2018 Investimento
Conheça os termos e como se preparar para captação de investimentos para startups.

Fundraising é um termo comumente utilizado para se referir à captação de investimentos para startup. No entanto, fundraising não se resume apenas a pedir dinheiro. Captação de investimentos para startups engloba estratégias que permitem a startup avançar nesse processo de acordo com seu momento, planejamento e valuation

Captação de investimentos, se feita no momento correto, pode ser a chave do sucesso de sua startup. Grande parte delas necessitam de recursos financeiros para atingir o próximo nível, por isso é bom se preparar com antecedência. 

E sim, sabemos o quanto já é difícil validar modelo de negócios, montar uma equipe de primeira, decidir se é melhor contratar ou terceirizar certas habilidades e crescer mantendo uma cultura organizacional enxuta.

Apesar disso tudo, acredite quando aconselhamos a pensar em fundraising. Cedo ou tarde você precisará entender quais as opções de investimento e tipos de contrato para sua startup.

Para começar, listamos alguns termos utilizados neste momento. Confira abaixo:

PS: Recomendo fortemente que você leia o texto até o final, para quando chegar o momento de receber um investimento não se colocar em uma furada e pôr todos os esforços a perder.

Pitch deck

Pitch deck é uma breve apresentação, muitas vezes criada usando PowerPoint, Keynote ou Prezi, para dar uma visão geral do seu negócios.

A estrutura mais utilizada para se apresentar o pitch deck a investidores é:

Introdução: logo e nome da empresa. Conte brevemente o que é a empresa.

Problema/oportunidade: descreva o problema que tenta resolver.

Mercado: ao menos uma previsão do tamanho do seu mercado-alvo.

Solução: descreva como resolve este problema e mostre sua proposta de valor.

Vantagens: explique o que torna sua solução especial, conte seus diferenciais de mercado e seu secret sauce.

Concorrência: soluções alternativas para o problema.

Modelo de negócio: formas de receita. Uma dica é mostrar um cronograma.

Números: apresente suas melhores métricas, cases e indicadores de tração.

Estratégia de crescimento: mostre sua ambição e de que forma chegará lá.

Equipe: descreva brevemente as pessoas por trás da ideia, o papel de cada uma. Destaque diferenciais, conhecimento e experiência que a equipe tem no seu mercado.

Investimento: aponte o valor que busca captar e por quanto tempo esse valor irá durar.

Contato: mostre de que forma investidores podem lhe contactar (nome, e-mail e telefone).

Para se aprofundar em como abordar e se relacionar com investidores, você precisa ler este post que escrevemos. 

Term sheet

É um acordo sem vínculos que estabelece os termos e condições básicos em que um investimento será feito. Serve como um modelo para desenvolver documentos legais mais detalhados. Uma vez que as partes envolvidas chegarem a um acordo sobre os detalhes estabelecidos, é então elaborado um contrato vinculativo ou contrato conforme o term sheet.

Valuation

Valuation é o processo de determinação do valor atual de um ativo ou de uma empresa. Existem muitas técnicas usadas para determinar o valor. Para chegar ao valor de uma empresa analisa-se a administração e a composição de sua estrutura de capital, a perspectiva de lucros futuros e o valor de mercado dos ativos, ou seja, dos investimentos colocados na empresa até o momento, seja de capital próprio ou externo.

Mútuo conversível

Contrato de mútuo conversível é um empréstimo mútuo, cujo valor da dívida pode se converter em uma participação societária futura.

É um dos instrumentos jurídicos mais utilizados para captação de recursos por startups, adotado há vários anos no Brasil. A vantagem é a simplicidade contratual, flexibilidade de cláusulas, baixa tributação e ótimo grau de proteção patrimonial ao investidor.

Em resumo, o contrato de mútuo é um documento que define que o valor investido possa ser convertido em ações na empresa que o investidor fez o aporte. Ou seja, ele garante um empréstimo de valores em troca da possibilidade de conseguir de volta essa quantia em forma de uma parte de do capital social da empresa.

Tag along

Tag-along é um direito de co-venda, uma obrigação contratual usada para proteger um acionista minoritário, geralmente em um acordo de venture capital. Se um acionista majoritário vende a sua parte, dá ao acionista minoritário o direito de se juntar à transação e vender sua participação também.

Efetivamente o tag along obriga o acionista majoritário a incluir as participações do detentor minoritário nas negociações, a fim de facilitar a possibilidade de que um direito de tag-along seja exercido.

Drag Along

Drag Along é uma cláusula que determina que os acionistas minoritários de uma empresa têm a obrigação de vender suas ações caso o acionista majoritário decida vender sua participação e o novo investidor não queira ter a empresa com parte das ações diluída entre vários sócios.

Ou seja, permite que um acionista majoritário force um acionista minoritário a participar da venda de uma empresa, e serve para proteger o acionista majoritário.

Lock up

Lock up é um tipo de contrato de bloqueio, que proíbe a venda de ações ordinárias por um determinado período de tempo.

É basicamente, uma vedação à transferência de quotas ou ações, seja entre sócios ou junto a terceiros, com exceção aos casos em que haja consentimento mútuo. A cláusula deve estipular, também, o tempo pelo qual será válido o lock-up – geralmente em torno de 3 a 5 anos.

A cláusula de lock-up é uma proteção para os investidores garantirem que a configuração de sócios atual seja preservada por determinado tempo. Afinal, há investimentos que são realizados mais por conta das características pessoais dos empreendedores sócios.

Lembrando que todo documento jurídico precisa ser elaborado por um advogado especializado a fim de garantir sua credibilidade e evitar problemas futuros devido à falhas contratuais.  

Então, para a captação de investimentos para startups ser bem sucedida, treine seu pitch deck e fique esperto: investidores estão de olho, mais que em negócios disruptivos, em equipes preparadas para fazer o negócio acontecer. Inclusive escrevemos um post somente sobre isso: Os 3 fatores que TODO investidor busca em uma startup.

Se pudermos dar um conselho, nós do Darwin te diríamos: seja comprometido e arrojado, porém humilde. Lembre-se: ninguém sabe de tudo. A velocidade com que as coisas mudam é enorme. Seja um hustler, seja curioso e faça acontecer. Investidores não são atraídos por um discurso bonito, eles querem se sentir seguros que sua startup é capaz de dar resultados. 

 

Leave a Reply