Os 3 fatores que todo investidor busca em uma startup

By 09/02/2017 November 6th, 2017 Investimento

Que não existe receita de bolo para avaliar um negócio, isto é fato. Mas alguns critérios têm maior relevância quando investidores definem em qual startup investir. O peso de cada critério pode variar de investidor para investidor, a única certeza é que entre eles estarão equipe, mercado e produto.

Este post é direcionado para todos os empreendedores que pretendem em algum momento levantar capital. Ele servirá como base para que você saiba o que é mais relevante na opinião de quem está do outro lado da mesa: os investidores. Vale lembrar que nada é absoluto aqui, entretanto estes são os fatores geralmente avaliados por investidores:

Equipe (fundadores)

De longe, este é o aspecto mais importante aos olhos de todos os investidores. Aqui no Darwin, costumamos dizer que “um negócio ruim mas com bons empreendedores tem mais chances de dar certo do que um negócio bom com empreendedores ruins”.

Nas startups em fase inicial, o time geralmente é composto apenas por fundadores. Nesta fase, a maior aposta é no time que construirá a empresa.  Ter uma equipe de primeira, com experiência no mercado de atuação e complementaridade, fará com que o negócio se destaque na avaliação dos investidores.

Uma equipe de fundadores com diferentes formações, como business, design e tecnologia, tendem a ter maiores chance de sucesso do que os times formados apenas por administradores, por exemplo.

O mesmo acontece quando se tem pessoas com grande experiência. Ter alguém que já atuou no segmento ou que participou da construção de outras startups elevará as chances do negócio dar certo, e também de receber investimento.

Mercado

Também chamado de tamanho da oportunidade, ao falar sobre esse assunto, vale lembrar que todo investidor –  do anjo ao VC – quer investir em negócios que podem ser GRANDES um dia. Caso o tamanho do seu mercado não tenha potencial de faturamento acima da casa dos milhões, suas chances são consideradas baixas.

Muitas vezes empreendedores se auto-sabotam ao não diferenciar o tamanho do mercado com o tamanho da oportunidade. Imaginar que uma solução pode ser endereçada para bilhões de pessoas apenas por utilizarem smartphone, por exemplo, é muito superficial. Por isso todo investidor gosta de ter informações detalhadas sobre a fatia de mercado que o produto se encaixa. E não adianta vir com aquele papo de: “se 1% do mercado utilizar minha solução”, porque isso não funciona.

Caso seja um mercado com soluções já existentes, prepare-se para explicar seus diferenciais perante os  concorrentes. Se for um mercado novo e emergente, foque no tamanho que ele terá e como você pretende crescer junto dele.

Mark Suster, um dos mais conhecidos investidores do Vale do Silício diz que “quase todos os VCs buscam investir em startups atuando em grandes mercados com equipes ambiciosas”.

Produto (solução)

Product Market Fit é o que todo investidor deseja. Quando a solução lançada pela startup tem aceitação do mercado e demanda crescente, é um sinal de que as chances de sucesso são altas. Investidores mais propensos ao risco, podem investir em negócios ainda não validados, porém, será necessário convencê-los do potencial da oportunidade com evidências claras.

Este último item vai além do produto em si, ele envolve aspectos como modelo de negócio, estágio e momento. Investidores procuram por soluções que resolvam problemas reais e demonstrem algum sinal de tração. O que quero dizer aqui é que a ideia precisa “parar em pé”, o modelo de negócios precisa dar evidências suficientes de que a startup será grande e lucrativa.

Um produto bonito e com alta qualidade técnica não é garantia de sucesso. Investidores buscam pelo produto certo, para a pessoa certa e na hora certa;  um produto que solucione o problema de um mercado que o demande e no timing exato.

O momento, muitas vezes desconsiderado na cabeça dos empreendedores, também é muito importante para quem investe. Diversas startups já lançaram seus produtos muito cedo, sem que o mercado estivesse “preparado”, ou muito tarde. Lançar um novo Facebook não seria a melhor das ideias atualmente, mas no ano de 2004, quando as pessoas buscavam novos meios de se conectar e comunicar, foi o momento propício para iniciar a maior rede social do planeta. A sugestão é refletir sobre as variáveis externas que podem influenciar no seu produto.

Além dos três aspectos mencionados acima, procure identificar quais as métricas que suportam o potencial do seu negócio (faturamento, número de usuários, engajamento, etc). Independente do tipo de investidor ou do tamanho do cheque, é sempre bom trazer informações que sustentem a oportunidade que você está oferecendo.

Lembre-se que toda captação de investimento é uma venda. Prepare-se, leia este post que escrevemos para você de preparar antes de captar.

Você deverá convencer investidores a aplicarem capital no seu negócio. Para isto, traga sinais de que existem grandes chances da startup trazer bom retorno ao investidor. Na grande maioria das vezes, estes sinais são numéricos. Como disse William Edwards Deming: “In God we trust, all others must bring data.”

Leave a Reply