Fintech: tendências do mercado financeiro

By 31/08/2017 August 13th, 2018 Mercado
O futuro das fintechs: tendências do mercado financeiro

O futuro das fintechs, ou a chamada segunda onda das fintechs, são os chamados marketplace banks, aliado à machine learning, os serviços inteligentes com uso de dados. Juntos vão revolucionar o o mercado financeiro.

Estamos ainda experimentando a primeira onda de fintechs, segundo Philippe Gelis, CEO da Kantox (plataforma pioneira para troca estrangeira peer-to-peer).

Alta tecnologia e inovação estão diretamente relacionada ao futuro das fintechs.

Estamos ainda em um momento de reinvenção da experiência do usuário, a interface ou o modelo de negócios, mas não “o todo”.  Citação de Marc Andreessen,  famoso por ser co-fundador do Netscape. Hoje um grande investidor de Venture Capital. Ele tem em seu portfolio nomes como Airbnb, Facebook, Pinterest e Twitter. Veja aqui a definição de Venture Capital.

É importante notar que muitas startups dessa vertical evoluíram de “modelos P2P” para “modelos de mercado”. Assim, a liquidez pode ser proveniente de peers ou de instituições financeiras. Neste post contamos as vantagens e desvantagens de se aventurar no mercado de fintechs.

O futuro das fintechs: tendência de marketplace banks.

Espera-se que este novo serviço seja realidade em 2 a 5 anos. Será uma nova experiência, integrando todos os serviços dos bancos em um só lugar.

Mas afinal o que são marketplace banks?

São basicamente o que o nome diz, um marketplace de serviços bancários, oferecendo diretamente:

  • Contas bancárias (multi- currency),
  • Cartões de crédito e débito (multi-currency),
  • E-wallet (multi-currency),
  • Investimento, negociação e corretagem,
  • Gestão de patrimônios,
  • Empréstimos, crédito e hipotecas,
  • Crowdfunding (patrimônio e social,
  • Criptomoedas,
  • Seguros,
  • Pagamentos, remessas e FX.

Todos esses serviços serão prestados por terceiros através da API, incluindo bancos tradicionais, instituições financeiras e fintechs.

Como funcionam os marketplace banks na prática?

Imagine que você precisa de um empréstimo, não interessa em qual banco você é correntista. O marketplace bank consultará terceiros para encontrar o empréstimo que melhor se adequa ao seu cenário, com a melhor taxa de juros.

Ou então fazer um investimento em apenas um clique. Ou ser capaz de escolher uma hipoteca de qualquer número de provedores com base em hábitos e receita de gastos. Ou então, transferir dinheiro para o exterior com agilidade e sem burocracias.

A integração com serviços financeiros inovadores e provedores de tecnologia é um passo óbvio para garantir aos clientes o controle sobre o dinheiro. Os usuários terão o poder de escolher, com base no preço, na conveniência e no serviço.

O banco do futuro é um marketplace bank, o futuro das fintechs. Ou o que alguns podem chamar sobre a morte dos bancos como conhecemos hoje. Leia mais neste post. 

Machine learning: o uso do banco de dados para serviços inteligentes

Outra​ forte tendência a se ponderar são inovações e serviços utilizando inteligência artificial  em banco de dados, e que podem vir inclusive de parcerias advindas de bancos e startups.

Uma vez que os bancos já possuem os dados dos clientes, é uma questão de usá-los corretamente. Tanto para prever as necessidades futuras quanto cuidar dos clientes.

Baseado nos hábitos de consumo e suas finanças​, o uso de machine learning pode prever comportamentos. ​

Machine learning para bancos

Um exemplo de um banco que usa software para analisar os dados do cliente é o Absa na África do Sul. Eles implantaram um programa que envia alertas aos clientes quando os padrões de gastos está fora da curva. Também oferecem opções com base na situação específica do cliente para ajudá-los a melhorar suas finanças

E o resultado foi positivo, dos 50 mil clientes envolvidos no piloto, 84% disseram que acharam os alertas úteis e queriam continuar obtendo. Além disso, 60% dos que receberam  alertas tomaram medidas para melhorar a situação das suas contas.

Pode até parecer que ações como essa possam ser um tiro no pé, afinal bancos vivem de juros. No entanto, segundo James Eardley, usar dados para prever o que os clientes desejam e precisam, tornam as vendas mais eficazes. O boca a boca é uma fonte de receita muito mais eficaz do que as táticas de tubarão de ontem.

Machine learning é a espinha dorsal do futuro das fintechs e o que os bancos precisam: entender completamente seus clientes.

Sendo capazes de descobrir e prever o melhor conselho ou oferta, os bancos podem ajudar seus clientes a melhorar a forma como lidam com o dinheiro.

Outra revolução acontecerá quando aplicativos integrarem diversas funções como  mensagens, pagamentos e serviços um só app. Uma realidade que já acontece na China, com o Wechat e Alipay, onde 60% dos pagamentos no país já são feitos através desse superapp.

O futuro das fintechs e do mercado financeiro como um todo pode estar nas mãos dos superapps.  E  isso já vale um post por si só. Por isso, preparamos um texto sobre esse tema, leia aqui. 

Leave a Reply